Enfim, o tempo de descanso… (Férias Escolares)

Qual a importância de fazer a matrícula em dia do seu filho?
09/12/2019
volta às aulas
Como preparar as crianças para a volta às aulas
06/01/2020
A rotina desgastante consome grande parte de nosso vigor e tempo diário. De fato, podemos cometer o erro crasso do ativismo estressante e corrosivo. Com efeito, é necessário e saudável garantir equilíbrio entre labor e descanso. Na verdade, felizes são aqueles que podem assim conduzir sua caminhada neste mundo. Nesse ponto, cabe um questionamento: quem foi o primeiro a estabelecer o ciclo de trabalho e descanso?

A cosmovisão cristã obtém a resposta desta pergunta ao dirigir-se à Pessoa e Obra do Criador. Aliás, o relato da criação assevera: “E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito” (Gênesis 2.2). O Senhor trabalhou e, em seguida, repousou.

Espera-se que o Senhor do Senhores, que não compartilha da fragilidade e das limitações do ser humano, jamais fizesse tal afirmação. Ademais, do que o Todo-Poderoso poderia cansar-se? No entanto, o brilhantismo do Criador é que, a fim de se comunicar conosco, revela a capacidade de acomodar-se à nossa fraqueza. É notório que Deus não sofre com fadigas. Todavia, como excelente Mestre, o Senhor é modelo de como sua criação deve se comportar. De fato, à criação cabe o dever de imitar o exemplo de seu Criador. Sendo assim, o período de “pausa” do Senhor torna-se uma obrigação inalienável para nós.

Entrementes, ao longo de toda a Revelação das Escrituras, há ratificação sobre o compasso entre afazeres e folga. No Decálogo, por exemplo, isto é apresentado como uma ordenança que integra a lei moral: “Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou” (Êxodo 20.10-11). Nota-se, pois, que a terra e os animais, uma vez que integram o habitat humano, também precisam descansar (confira: Êxodo 23.11).

Na verdade, com estas afirmações passamos a compreender que desfrutar de um tempo de desocupação é uma ordenança para toda a criação, a fim de garantir a aproximação, a comunhão e o serviço para com aquele que é Santo. Assim, para as atividades cotidianas é imprescindível parar para dedicar o merecido reconhecimento às Obras e à Pessoa do Criador. Por conseguinte, o descanso foi santificado, de modo que a harmonia entre trabalho e repouso é uma normatização para o serviço de adoração e louvor que é devido ao Criador.

Nesse afã, a confessionalidade cristã, que define a identidade do Mackenzie, preconiza a veracidade deste ciclo. Não obstante, em Jesus Cristo fomos resgatados e recebemos descanso, não apenas para o corpo, mas das “fadigas” impostas pelos efeitos do pecado (Gênesis 3. 17-19). Assim, ao atendermos à ordenança divina, sossegamos de nossos labores terrenos com os olhos fitos na esperança da vida eterna, o descanso perfeito.

Enfim, a ocasião das férias é chegada. Alunos e alunas, professores e professoras, equipes escolares, pais, mães e responsáveis desfrutarão de um período de interrupção nas atividades escolares regulares. Alguns terão a alegria de aproveitar a trégua de suas ocupações profissionais, e até mesmo momentos de lazer e viagem em família. No final das contas, as férias escolares cumprem um requisito essencial à saúde e ao bem-estar e, sobretudo, às exigências do Criador. Portanto, nesse momento de férias que todos descansem com sabedoria e graça, aproveitando a estação adequada para recuperar as forças, concomitantemente, para refletir sobre as dádivas que recebemos de nosso Criador. O bondoso Deus tem nos ensinado a aproveitar a vida de modo mais sensato e melhor.

Rev. José Carlos Piacente Júnior – Capelão da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Doutor e Mestre pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper.

Fonte: http://sme.mackenzie.br/mackenzie/Home/Conheca-o-Sistema/Noticias/Enfim-o-tempo-de-descanso#article_line_12899 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *