Brincar na infância é essencial para o desenvolvimento da criança na era digital  

neurociência na educação
A importância da neurociência na educação
26/11/2018
Inclusão social
Inclusão social: As escolas estão preparadas?
10/12/2018
Brincar na infância

O brincar na infância é um elemento básico na vida de qualquer pessoa. Isso porque, além de divertido é necessário para o  desenvolvimento integral da criança. Para crescer e aprimorar suas habilidades, as crianças precisam ser ativas. Assim, brincar na infância torna-se essencial para a aprendizagem, uma vez que aprendem a conhecer a vida brincando.

No entanto, com o surgimento da tecnologia, as crianças encontraram outras maneiras, essencialmente virtuais, de diversão. Atualmente, computadores, tablets, smartphones e games substituíram as brincadeiras que eram comuns em outras décadas. Por exemplo, amarelinha, queimada, pular corda, esconde-esconde, bambolê, ciranda, dança da cadeira, etc. Agora, o interesse está mais em jogos da internet e aplicativos de celular.

Mas até que ponto isso pode ser considerado saudável?

É importante não deixar de lado a interação social das crianças. Quando elas ficam muito tempo dentro de casa, há pouca interação com o meio ambiente e outras crianças da mesma idade. Meninos e meninas que crescem em ambientes mais fechados, como apartamentos, podem até desenvolver alergias.

Outro problema com a tecnologia é que a coordenação motora tende a ser atingida em razão dos movimentos repetitivos, como a digitação, por exemplo. Além disso, o sedentarismo é comum em crianças que passam muito tempo na frente da televisão ou de outras telas. A falta de atividade física pode gerar obesidade e outros problemas de saúde.

Porém, a era digital oferece um benefício importante para as crianças, no que diz respeito ao raciocínio lógico e rápido, além da facilidade com cálculos matemáticos, ou seja, a parte cognitiva. Mas, ainda é essencial estimular a criança a participar de brincadeiras que promovam a interação social.

A importância do brincar na infância

Algumas brincadeiras tradicionais exigem que as crianças façam coisas repetidas antes de aprendê-las, de modo que o brincar torna-se formativo fazendo-as enfrentar repetidas vezes situações que podem dominar ou se adaptar. Além disso, as brincadeiras podem ser de vários tipos, até mesmo praticando algum esporte.

Certos jogos competitivos ensinam as crianças a lidar com a vitória e a derrota de forma saudável. Além disso, conseguem compreendem questões relacionadas ao comportamento social. Através das brincadeiras, as crianças descobrem o mundo. Portanto, é um instrumento fundamental para a educação. O brincar desenvolve as seguintes habilidades:

Físicas: as crianças se movimentam e exercitam a coordenação psicomotora. Além disso, atividades físicas são saudáveis para todo o seu corpo, músculos, ossos, pulmões, coração, etc.

Sensoriais e mentais: através da discriminação de formas, tamanhos, cores, texturas, etc.

Afetivas: as crianças experimentam emoções como surpresa, expectativa ou alegria.

Criatividade e imaginação: a brincadeira desperta e desenvolve a singularidade de cada criança.

Formação de hábitos cooperativos: algumas brincadeiras exigem a interação entre várias crianças.

A princípio, as crianças só se desenvolvem pela percepção imediata da situação, fazendo a primeira coisa que vem à mente. Portanto, brincar na infância faz a criança aprender a navegar em seu ambiente mental, utilizando pensamentos para ir além do mundo externo, guiando seu comportamento para desenvolver estratégias que resolvam situações apresentadas.

Por exemplo, quando a criança deseja fazer uma torre alta de blocos, usará seu pensamento para descobrir que deve colocar os blocos maiores na base. Assim conseguirá fazer uma torre mais alta, empilhando um bloco após o outro.

A brincadeira muda conforme a idade da criança

A partir dos dois anos de idade, a criança começa uma nova etapa usando sua experiência anterior para obter um aprendizado mais elaborado. A natureza de suas brincadeiras mudará porque estará desenvolvendo sua capacidade de pensar sobre suas novas descobertas.

Dessa forma, começa a comunicar-se fluentemente, expandindo seu vocabulário e tendo um melhor domínio de seu corpo. Assim, a criança tende a procurar novas experiências e companheiros de brincadeira para desenvolver sua imaginação, participando mais do mundo dos adultos. A fase escolar significa mais um passo no progresso do brincar na infância.

Agora, elas brincam na escola e quando chegam em casa continuam brincando e colocando em prática o que viveram e aprenderam na escola. Isso permite que exteriorizem suas emoções: alegrias, sentimentos, momentos difíceis, frustrações, etc. Portanto, é importante manter o equilíbrio entre o “brincar tecnológico e o brincar tradicional” para garantir que a criança desenvolva sua criatividade, ganhe mais autonomia, e, acima de tudo, não deixe de ser criança.

Conheça o Espaço Educacional Pequeno Aprendiz

O Espaço Educacional Pequeno Aprendiz tem o objetivo de transformar vidas através da educação de qualidade baseada no sistema Mackenzie. Através de princípios cristãos, em que Deus é honrado, é promovido o desenvolvimento integral dos alunos.

3 Comentários

  1. […] Portanto, os pais devem conversar com a criança para organizarem a rotina novamente, antes do começo das aulas. Tudo no tempo certo! Reveja o cronograma de atividades do se filho para certificar-se de que terá tempo para brincar. […]

  2. […] o brincar na infância, oferecendo momentos de lazer em que a criança possa interagir em grupo. Além disso, incentive a […]

  3. […] ele brinca com outra criança e veja se você consegue identificar o que está errado. O brincar na infância pode dar algumas pistas. Se você não sabe como ajudar seu filho, tente ler um bom livro sobre […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *